Curiosidades

O que é Eutanásia?

É uma prática polêmica que vem sendo discutida a muitos anos mas pode acabar com o sofrimento do paciente.

Eutanásia é o ato de acelerar a morte de um ser humano para terminar com seu sofrimento. A palavra “eutanásia” vem do grego “eu” que que dizer “bom”, e “thanatos” que significa “morte”. Quer dizer então boa morte, sem sofrimento.

Publicidade

A Declaração do Vaticano entende que a eutanásia é uma forma de matar, não importa o motivo.

O termo surgiu em 1623 através de Francis Bacon em sua obra “Historia vitae et mortis”, onde abordava que a eutanásia era o tratamento para as doenças incuráveis.

Publicidade

Existem dois tipos de eutanásia: a intenção e o efeito da ação. A intenção gera a eutanásia ativa ou uma omissão, que quer dizer que não é utilizado uma indicação terapêutica, um remédio por exemplo que seria a eutanásia passiva.

Existem diferenças entre a distanásia, a ortotanásia e a mistanásia. A distanásia é uma morte lenta, ansiosa e com sofrimento. Ela é o antônimo de eutanásia. A Ortotanásia é considerada a ação e os cuidados prestados aos pacientes nos momentos finais de suas vidas. E a mistanásia é quando o doente e o deficiente não conseguem atendimento médico, por motivos econômicos ou políticos e também podem ser vítimas de erro médico.

A Holanda foi a primeira nação a liberar a eutanásia através de uma lei publicada em abril de 2002. Depois foi a vez da Bélgica e Luxemburgo. Em seguida na Suíça começou a praticar o suicídio assistido. Neste caso o médico entrega ao paciente uma dose letal de medicamento e ele mesmo provoca sua própria morte. Na eutanásia o médico realiza o procedimento através de remédio por via oral ou injeção. Porém a eutanásia e o suicídio assistido são permitidos a pacientes maiores de 18 anos, que estejam em estado terminal e sem chances de recuperação.

Este ano no Brasil uma comissão de juristas apresentaram um anteprojeto do novo Código Penal. O objetivo desta comissão é incluir penas mais leves para quem pratica a eutanásia, pois as penas propostas na lei de 1940 chegam a 20 anos de prisão. Também querem sugerir a ortotanásia que é uma prática cotidiana mas que não é crime, seria deixar de fazer uma cirurgia ou quimioterapia, ou até mesmo deixar de reanimar em caso de uma parada cardíaca acabando assim com o sofrimento do paciente. O Código de Ética Médica no Brasil aprova a ortotanásia e proíbe a eutanásia.

Um caso polêmico e que foi até motivo de batalha judicial foi o da americana Terry Schiavo. Ela entrou em coma profundo em 1990 logo após um ataque cardíaco quando tinhas 26 anos. Seu marido recorreu a justiça e conseguiu que ela ficasse sem comida e sem água por 13 dias e então morreu em 2005.

Publicidade

Deixe uma resposta