O que é fobia social?

Por: Amaury de Almeida Costa

Quando o medo patológico se instala nas relações pessoais, temos um quadro de fobia social.

A fobia social é um transtorno mental que alguns pacientes apresentam quando estão sob avaliação de outras pessoas e caracteriza-se por intensa ansiedade. A timidez é natural quando estamos sendo avaliados, e pode até ser útil, se ajuda a nos concentrarmos na boa execução de uma tarefa. A fobia social ocorre quando o acanhamento provoca algum prejuízo para o seu portador, por exemplo, impedindo a realização de atividades simples.

O que é fobia social?

Fobia é o medo sem fundamento de realizar uma tarefa ou executar uma função; a fobia social surge quando a pessoa fica prejudicada em seus relacionamentos interpessoais, sejam eles familiares, de amizade ou profissionais. O fóbico enfrenta tremendos obstáculos no trabalho e nos estudos.

Em geral, a fobia social é disparada em situações específicas, como falar em público, ser fotografado ou digitar um texto sendo observado. O fóbico é aquele em que a ansiedade impede a realização da atividade; a sensação de mal-estar se instala antes da situação que provoca a inibição e permanece por algum tempo após o término da avaliação, real ou imaginária. Há relatos de pacientes que ficam ansiosos só em pensar nas atividades que os incomodam. Em algumas ocasiões, a fobia social se torna tão intensa que pode evoluir para uma crise de pânico (transtorno que se instala subitamente, sem motivo específico).

São sintomas secundários da fobia social: suor excessivo, principalmente nas mãos; taquicardia; tremor na voz, mãos e pés; e rubor na face. O fóbico social se acha uma pessoa desinteressante e tende ao isolamento, o que provoca desgaste emocional.

O diagnóstico da fobia social é feito por psicólogos e psiquiatras. O fóbico social tende a ser passivo e submisso, esconder suas opiniões e acatar determinações; alguns fóbicos podem abusar de bebidas alcoólicas, mas estas características são amenizadas com a terapia (especialmente a terapia cognitiva), que pode ser acompanhada de tratamento medicamentoso. Terapeutas relatam que, no início do tratamento, alguns pacientes podem apresentar comportamento agressivo e hostil, provavelmente gerado pela necessidade de autoafirmação.

Ao contrário da maioria dos transtornos de ansiedade, estudos apontam que a fobia social é mais comum entre os homens e instala-se até por volta dos 20 anos de idade. O fóbico social normalmente percebe que é mais tímido que os colegas de escola, na infância e adolescência, e a ampliação das relações sociais vai tornando a patologia cada vez mais evidente. No Brasil, estima-se que 13% da população sofram deste transtorno.

Deixe uma resposta