Curiosidades

O que é laicismo?

Defende a liberdade para o povo manifestar sua fé religiosa, sem determinar qual religião seguir.

O laicismo é uma doutrina que defende a separação do Estado e da igreja e da religião. A palavra laico quer dizer postura separadora e crítica e também é uma palavra grega “laikós” que significa “do povo”.

Publicidade

O laicismo iniciou no final do século XIX e o início do século XX e defendia a neutralidade do Estado frente a assuntos religiosos.

Esta doutrina defende a igualdade entre os cidadãos nos assuntos relacionados a religião. Surgiu em protesto aos abusos religiosos na política. Também havia a necessidade de acabar com a autoridade da Igreja Católica presente na Idade Média.

Publicidade

Os países se dividiam em os laicos e os não laicos. Os países laicos não aceitavam a interferência da religião na política, isto ocorria nos países ocidentais. Nos países não laicos a religião tinha uma forte participação na política como por exemplo no Vaticano e no Irã.

Em razão deste termo laicos, alguns países deixaram de seguir o catolicismo e até mesmo causou o final das monarquias. Então o poder do rei não era mais em nome de Deus e sim da nação.

Então o poder da Igreja foi enfraquecendo em razão da revisão da Bíblia realizada por Martinho Lutero no ano de 1517. Em 1648 através do Tratado de Westfália deu-se mais importância ao laico e o religioso. A III República adotou o laicismo que durou até à V.

O laicismo é um sistema fechado mas sem exagero, diferente do nazismo e do comunismo. Max Weber fala que “Deus é um tipo ideal criado pelo homem”, querendo dizer que o pensamento social não está ligado somente a politica e nem sofre influência da religião.

Na República Francesa existe uma igreja que possui uma inscrição em francês Liberté, Égalité, Fraternité e que em português quer dizer Liberdade, Igualdade, Fraternidade. Isto ocorreu em 1905 e como é muito raro ter este tipo de mensagem em igrejas, ela foi restaurada1989.

O laicismo é diferente de ateísmo que significa a não tolerância de fé, onde não há reconhecimento da mesma.

A liberdade da religião está interligada ao Estado e pode ser de três formas fusão, união e separação. O Brasil está enquadrado na separação desde a edição do Decreto 119-A, de 17 de janeiro de 1890, que regulamentou a separação entre a Igreja e o Estado.

O ideal é buscar a paz social, tanto o Estado como na religião, e com isto fortalecer a democracia real.

Publicidade

Deixe uma resposta