Curiosidades

O que é “olho gordo”?

Olho gordo é uma crença antiga segundo a qual o olhar de um invejoso pode trazer danos a quem é observado.

Também chamado de mau olhado, o olho gordo está relacionado com a ideia de “secar com os olhos”, isto é, impedir a prosperidade e a boa sorte de alguém. A superstição é antiga e está presente na tradição de vários povos. Por exemplo, entre os hebreus, um dos mandamentos divinos é “não cobiçarás”.

Publicidade

Na tradição cristã, o mandamento ficou reduzido a “não cobiçarás a mulher do próximo”, mas o texto original, constante do Livro do Êxodo, é mais amplo: “não cobiçarás a casa do teu próximo, não cobiçarás a mulher do teu próximo, nem o seu servo, nem a sua serva, nem o seu boi, nem o seu jumento, nem coisa alguma do teu próximo”. A ordem, cuja tradição atribui a redução há mais de três mil anos, já demonstrava que a cobiça – ou inveja – era vista como um adjetivo negativo.

Entre os turcos, o medo de olho gordo é milenar. Conta a lenda que havia uma rocha, que nem a força de cem homens podia mover. Chamaram, então, um homem famoso pela inveja que nutria. Ao ver a rocha, ele exclamou: “que pedra imensa”. No mesmo instante, a rocha partiu-se em dois pedaços.

Publicidade

Para se proteger, os turcos usam o nazar boncuk, ou olho azul, nas entradas de casas e locais de trabalho, em pulseiras e colares e nos berços dos bebês. Se o nazar boncuk aparecer rachado, é sinal de que ele isolou o olho gordo, e é imediatamente substituído. O amuleto também é usado em diversos países do Oriente Médio.

A Medusa grega, mulher monstruosa com serpentes em lugar dos cabelos, é uma representação alegórica do olho gordo: de acordo com a lenda, todos os que miravam seus olhos diretamente eram petrificados.

O teatrólogo grego Ésquilo (século V a.C.) afirmou que “há poucos homens capazes de prestar uma homenagem a um amigo sem qualquer inveja”. O escritor romano Sêneca (século I d.C.) ensinava que, para evitar a inveja, devemos guardar as alegrias para nós mesmos. O escritor espanhol Miguel de Cervantes (de “Dom Quixote de La Mancha”) dizia que a inveja vê tudo com lentes de aumento, transforma anões em gigantes, indícios em certezas.

De acordo com algumas correntes esotéricas, os olhos são lentes que concentram as energias do corpo e da alma, que conseguem transmitir altas cargas de energia, tanto para o bem, quanto para o mal. Pessoas invejosas, rancorosas, com o “corpo carregado”, emitem as energias que concentram pelos olhos, que, se atingirem pessoas desprotegidas, causam prejuízos para a saúde, os relacionamentos e os negócios: são os enguiços (prejuízos financeiros) e “infestações espirituais”. Até plantas e animais podem ser suscetíveis ao mau olhado. Um dos sinônimos populares de invejoso é “seca-pimenteira”.

O mal que pode ser causado não é necessariamente intencional. Quem tem olho gordo funciona como um acumulador de energias negativas, que transmite ao observar as qualidades e bens dos outros, que podem ser inclusive crianças. No Brasil, crianças atingidas pelo mau olhado sofrem de quebranto: ficam sonolentas e preguiçosas, sem vontade nem para brincar.

Para se proteger contra o olho gordo, os supersticiosos usam talismãs, como a figa, o olho de cabra, além de orações e simpatias, como os banhos de ervas e sal grosso. Um amuleto considerado poderoso é copiar o Salmo 91: “Nada poderá me atingir. Em minha casa não haverá doenças nem desavenças, pois o Senhor deu ordens aos anjos para que guardem seu filho por onde quer que ele caminhe”. O papel deve ser dobrado, colocado num saquinho de tecido vermelho e guardado junto ao corpo.

Publicidade

Deixe uma resposta