O que é percepção extrassensorial?

Por: Amaury de Almeida Costa

 A parapsicologia explica a percepção extrassensorial como a capacidade de contatar a realidade sem o uso dos cinco sentidos.

A PES – percepção extrassensorial – é a faculdade que certos indivíduos possuem de estabelecer contato com a realidade objetiva sem o uso dos sentidos humanos: visão, tato, paladar, olfato e audição. O termo foi criado pelo cientista americano Joseph Banks Rhine, professor da Universidade Duke, o mesmo pesquisador que estabeleceu as bases da parapsicologia, no início do século XX.

O que é percepção extrassensorial?

De acordo com a parapsicologia, alguns seres, chamados sensitivos, podem desenvolver algumas habilidades psíquicas, tais como:

  •  telepatia: leitura do pensamento de outra pessoa;
  •  clarividência: visão a distância de fatos que estão ocorrendo no momento;
  •  premonição: antevisão de um fato que vai ocorrer num futuro relativamente próximo;
  •  psicometria: capacidade de observar o que acontece a uma pessoa a partir do contato com um objeto pertencente a ela;
  •  retrocognição: visão de fatos ocorridos no passado;
  •  telecinese: capacidade de mover objetos com a mente;
  •  radiestesia: capacidade de sentir vibrações e radiações de pessoas e objetos.

Rhine e Carl Zener, que também pesquisou a percepção extrassensorial, tentaram estabelecer um método científico para entender as faculdades mentais, explicadas como mediunidade por Allan Kardec e como um acesso ao inconsciente coletivo pelo psicólogo Karl Gustav Jung. As técnicas usadas procuravam seguir um padrão técnico, mas nunca produziram resultados consistentes.

Foi usado um baralho de 25 cartas para avaliar as cobaias estudadas, batizado por Rhine como “cartas de Zener”. São cinco cartas das seguintes imagens: quadrado, círculo, estrela, ondas e cruz. O pesquisador teve o cuidado de criar um embaralhamento mecânico, para impedir fraudes.

Aparentemente, os sensitivos estudados não possuíam percepções extrassensoriais ou estas dependiam de alguma outra fonte. As faculdades psíquicas sempre se mostraram intermitentes. Havia, mas não eram suficientes para criar um padrão científico.

Atualmente, a parapsicologia e a percepção extrassensorial são relegadas à categoria de crença. Várias pessoas experimentam situações paranormais (por exemplo, um sonho com riqueza de detalhes que se torna realidade em poucos dias), mas não existem elementos para mensurar se isto é de fato real; as estatísticas colocam os fenômenos no limite das coincidências.

Seja como for, como disse William Shakespeare pela boca de seu personagem Hamlet, “há mais coisas entre o céu e a terra do que supõe a nossa vã filosofia”. A ciência não explica, mas os fatos acontecem e muitos se apresentam rapidamente como testemunhas.

 

Deixe uma resposta